quarta-feira, 13 de julho de 2011

ADEUS MEU AMIGO...




6 de Fevereiro de 1998,
13 de Julho de 2011.

Foste leal, foste meigo e carinhoso, foste teimoso e persistente; foste tu.
A tua vontade era estar sempre perto de mim:
Muitas vezes não pude estar; outras, não consegui.
Muitas, também não te entendi...
Gaspar, de entre todos os amigos, foste dos maiores e melhores!
E como se faz com os maiores amigos, guardam-se para sempre no coração.
Quando, no Domingo, fomos os dois ver o pôr-do-Sol para a praia, mesmo fraco e vagaroso no andar, nada faria supor que, dois dias depois, me iria despedir de ti para sempre;
o teu orgulho, não te permitiu continuar a existir de uma forma menos digna e alegre. Eu não me teria importado; mas tu não quiseste.
Desse dia e de outros, igualmente belos, ficam os bons momentos que passámos juntos.
E foi isso que também me ensinaste; todos os bons momentos, devem agarrar-se e serem vividos intensamente porque podem não voltar a repetir-se, mesmo que tudo, até a vida, pareça imutável: Mais uma lição que me deste...
Adeus amigalhaço... Ah e... "o gato, onde está o gato"?

3 comentários:

tia joana disse...

queria mesmo que esta dor se transformasse numa saudade boa,não gosto de te sentir tão triste o Gaspar também não ia achar graça

ellen disse...

Tenho a minha gata quase a partir...

:(

e o mais difícil é que vou ter que ser eu a tomar a decisão, porque o meu egoísmo está a provocar-lhe sofrimento lentamente, não só a ela como a mim também... :(

Anónimo disse...

Lindo o que escreveste, meu amigo.
Gostaria de o ter escrito também, mas para ti.
Eu sei que, lá onde estiveres, de nada mais precisarás para seres, enfim, feliz. Já nem de um abraço precisas. Contudo, um abraço que aliviaria a dor deste teu amigo que mal conheceste...