quinta-feira, 15 de abril de 2010

PALÁCIO NACIONAL DA AJUDA

site do grupo " Pela Conclusão da Construção do Palácio Nacional da Ajuda":
.
Fico contente com a ideia de criação deste grupo. Fico contente sobretudo, com o debate de ideias surgido e, por verificar com apreço, que há grande interesse pelas causas ligadas ao património.
Por outro lado, também me congratulo pela existência destas ferramentas (fcbk´s, blogs e outros instrumentos), que permitem ás pessoas (todas), participarem nos debates e opinarem sobre estes assuntos.
E, não tenhamos dúvidas, os decisores políticos têm neste momento, todo o interesse em ouvir esta opinião de fundo, muitas vezes mais rica em ideias, do que aquelas que podem retirar da mole cinzenta e parda de "experts" que pululam pelos ministérios e assessoram o poder.
Quanto ao Palácio Nacional de Ajuda e ao projecto que aqui se defende, não tenho qualquer dúvida em apoiá-lo:
Não me causa qualquer tipo de problema de consciência, no campo teórico - profissional, académico ou outro, defender a conclusão do edifício do Palácio Nacional da Ajuda, nos moldes projectados por Fabri e Costa e Silva. A sua conclusão é, a meu ver, uma necessidade coerente que advém da imposição de reorganizar do ponto de vista espacial e urbano, toda aquela zona. Estabelecer uma ordem urbana e digna para envolver um monumento que deve adquirir a dignidade que lhe estava subjacente no projecto:
Sem isto, o PNA nunca passará de um edifício coxo, desequilibrado e sem a escala para que nasceu.
Se do ponto de vista do formalismo e linguagem exterior, apoio a ideia de continuar o projecto inicial, ao contrário, no seu interior fará todo o sentido que se opte pela contemporaneidade, adaptando o novo e acrescentado espaço, a necessidades prementes no mundo da museologia e da arte nacional.
A questão da requalificação da zona Ajuda/Belém está, como sabemos, pejado de uma série de erros e incongruências. O primeiro de todos e talvez o maior, é a construção do projectado novo M N Coches:
É uma obra desnecessária sob o ponto de vista do seu interesse, tanto para a colecção em si mesma como para o visitante; retira aos coches o cenário fantástico que os envolve e transforma o espaço, num museu – garagem, com… coches.
Sob o ponto de vista económico, o tiro é certeiro, nos pés:
Todos sabemos que a opção de construir o novo museu, tem contornos políticos, pouco sustentados em pareceres técnicos credíveis, contrariando inclusive, opiniões abalizadas dos próprios directores dos museus, implicados neste efeito de dominó, sejam eles o do próprio M N Coches, como o de Arqueologia.
Gastam-se mais de 30 milhões no novo museu, fora as derrapagens e não se fazem contas á (de) eficiência energética do edifício, onde são projectados grandes envidraçados, virados a Poente…
Mas, no rol dos erros e asneiras que acompanham de perto esta “cereja em cima do bolo” da SFT e das comemorações do “centenário”, que é o novo MNC, aquele que mais me preocupa é a questão da localização do futuro Museu; é que os tais “experts” (os), aqueles que pensam, estudam e debatem e depois aconselham os Exmos Sr s Ministros a fazerem asneiras, não repararam que o terreno escolhido, o das Oficinas Gerais de Material, está em zona de Muito Alta Vulnerabilidade Sísmica, ao contrário da actual localização que está situada em zona de Baixa Vulnerabilidade; é a diferença entre os terrenos dos juncos, lodosos ou arenosos e os terrenos onde os “experts” mais antigos, fruto da sua observação do grande terramoto, decidiram construir os grandes palácios reais.
Não seria portanto um bem mais cuidado e ponderado pensamento, proceder á reabilitação do PNA, da sua envolvente e do próprio tecido urbano?
Esta pergunta tem, para mim, uma resposta inequívoca:
A S Frente Tejo, ou o que resta dela, deve reequacionar toda a sua politica referente ao projecto da frente ribeirinha e em especial a da zona Belém / Ajuda:
Era um grande favor que nos fazia, que fazia a Lisboa e porque não, ás comemorações do “centenário”.
Luís Marques da Silva

2 comentários:

isabel disse...

Luis,acho que era fundamental que eta sua publcaçao fosse o mais divulgada possivel. Como posso enviar a amigos? Um gde bjs Isabel

Arq. Luís Marques da silva disse...

Obrigado Isabel, copie e mande por mail.
bjs Luís